quinta-feira, 29 de abril de 2010

Curso Dança Teatro

Curso Teatro Dança - Tributo a Madonna
Direção Coreográfica Alexandre Maia
Duração de 8 meses
Sábados das 10h as 13h
Local: ILA - Instituto Livre de Artes
Praça Presidente Vargas, 105
Vila Assunção - Santo André

Venha contar a história da Dica Pop com a Dança...

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Ilusão???

O termo Ilusão de óptica aplica-se a todas ilusões que "enganam" o sistema visual humano fazendo-nos ver qualquer coisa que não está presente ou fazendo-nos vê-la de um modo erróneo. Algumas são de carácter fisiológico, outras de carácter cognitivo.

A explicação possível das ilusões óticas é debatida extensamente. No entanto, os resultados da investigação mais recente indicam que as ilusões emergem simplesmente da assinatura do modo estatístico e empírico como todos os dados perceptivos visuais são gerados[1].

Os circuitos neuronais do nosso sistema visual evoluem, por aprendizagem neuronal, para um sistema que faz interpretações muito eficientes das cenas 3D usuais, com base na emergência no nosso cérebro de modelos simplificados que tornam muito rápida e eficiente essa interpretação mas causam muitas ilusões ópticas em situações fora do comum.

A nossa percepção do mundo é em grande parte auto-produzida. Os estímulos visuais não são estáveis: por exemplo, os comprimentos de onda da luz reflectida pelas superfícies mudam com as alterações na iluminação. Contudo o cérebro atribui-lhes uma cor constante. Uma mão a gesticular produz uma imagem sempre diferente e, no entanto, o cérebro classifica-a consistentemente como uma mão. O tamanho da imagem de um objecto na retina varia com a sua distância mas o cérebro consegue perceber qual é o seu «verdadeiro» tamanho. A tarefa do cérebro é extrair as características constantes e invariantes dos objectos a partir da enorme inundação de informação sempre mutável que recebe. O cérebro pode também deduzir a distância relativa entre dois objectos quando há sobreposição, interposição ou oclusão. E pode deduzir a forma de um objecto a partir das sombras. O que implica uma aprendizagem da perspectiva linear. No entanto, existem vários tipos de ilusões de distância e profundidade que surgem quando esses mecanismos de dedução inconsciente resultam em deduções errónea.

A imagem da retina é a fonte principal de dados que dirige a visão mas o que nós vemos é uma respresentação “virtual” 3D da cena em frente a nós. Não vemos uma imagem física do mundo, vemos objectos. E o mundo físico em si não está separado em objectos. Vemos o mundo de acordo com a maneira como o nosso cérebro o organiza. O processo de ver é um de «completar» o que está em frente a nós com aquilo que o nosso cérebro julga estar a ver. O que vemos não é a imagem na nossa retina - é uma imagem tridimensional criada no cérebro, com base na informação sobre as características que encontramos mas também com base nas nossas «opiniões» sobre o que estamos a ver.

O que vemos é sempre, em certa medida, uma ilusão. A nossa imagem mental do mundo só vagamente tem por base a realidade. Porque a visão é um processo em que a informação que vem dos nossos olhos converge com a que vem das nossas memórias. Os nomes, as cores, as formas usuais e a outra informação sobre as coisas que nós vemos surgem instantaneamente nos nossos circuitos neuronais e influenciam a representação da cena. As propriedades percebidas dos objectos, tais como o brilho, tamanho angular, e cor, são “determinadas” inconscientemente e não são propriedades físicas reais. As ilusões surgem quando os “julgamentos” implícitos na análise inconsciente da cena entram em conflito com a análise consciente e raciocinada sobre ela.

A interpretação do que vemos no mundo exterior é uma tarefa muito complexa. Já se descobriram mais de 30 áreas diferentes no cérebro usadas para o processamento da visão. Umas parecem corresponder ao movimento, outras à cor, outras à profundidade (distância) e mesmo à direcção de um contorno. E o nosso sistema visual e o nosso cérebro tornam as coisas mais simples do que aquilo que elas são na realidade. E é essa simplificação, que nos permite uma apreensão mais rápida (ainda que imperfeita) da «realidade exterior», que dá origem às ilusões de óptica.

segunda-feira, 26 de abril de 2010


Professor de Dança Teatro, Jazz, Passarela e Diretor Coreográfico.
Experiência em produções de desfiles de moda, coreografias de musicais, peças teatrais e apresentações isoladas de dança.
Produções de desfiles de moda e concursos de beleza.
Trabalhos como ator em peças teatrais e curtas.
Também atuo como Designer de Interiores tanto em projetos residênciais como comerciais.

Numeroligia


Você é número 6

Seu desafio é desenvolver seu forte sentido de responsabilidade em relação aos outros. Você procura resolver os problemas de todas as pessoas, sejam elas amigos, da família, os que moram perto de você, os seus colegas de trabalho. Você está sempre disposto a ajudar, a aconselhar, com seu profundo senso de justiça, buscando a harmonia geral. Você é simpático, amável e generoso e está constantemente disponível para os outros.

Quando criança sempre queria agradar, com presentes, com afagos, queria se sentir responsável em fazer certas tarefas, queria ser elogiado e sentia-se extremamente magoado se era repreendido. Aos poucos vai aprendendo a lidar com esses sentimentos que envolvem o dar e o receber. Você tem habilidades artísticas, gosta da harmonia da música, da pintura, da arquitetura. Valoriza a vida doméstica, se dedica ao lar, à família, criando um ambiente caloroso e receptivo.

Você é muito profundo em seus sentimentos e se você não se reprimir, mostrará esta sensibilidade àqueles que ama. Ao não conseguir expressá-la pode fechar-se sendo muito difícil para qualquer pessoa romper esta barreira. Você é romântico e tem necessidade de estar sempre amando. Nos aspectos negativos, evite a tendência de tornar-se oprimido por excesso de responsabilidades e ser um escravo dos outros. Cuide também para não ser demasiado crítico, tanto de si mesmo, como dos outros, achando que tudo está errado, e somente você está certo e somente você pode resolver o problema.

Mesmo que o assunto não seja com você, tem sempre um palpite seu. Diante de uma situação ou um desafio qualquer você logo vai falando o que pretende fazer, mas nem sempre faz aquilo que falou. Fala muito e sem parar, tenta convencer o outro, mesmo sem nenhuma razão. Já que imaginação não lhe falta, vai lidando com bom humor, rodeando, até que consiga convencer todo mundo. Otimista por natureza, vai agindo achando que no fim tudo dá certo.


domingo, 25 de abril de 2010


“O Jazz Teatral é basicamente a busca do ritmo e expressão corporal de cada um”.

Hoje em dia foram criadas várias formas de explorar a dança. Sempre buscando a minha identidade em meu trabalho resolvi unir alguns dos segmentos que trabalho.

Dança + Interpretação = Jazz Teatral.

No curso de Jazz Teatral trabalho com todos os ritmos, buscando assim a identificação com cada um deles. Todos os ritmos são trabalhados voltados ao ambiente Teatral, trabalhando assim a expressão corporal, facial e comportamental de cada pessoa.

Basicamente consiste em:

Aquecimento e Alongamento – Nosso corpo é uma maquina, aquecendo-o corretamente com exercicios adequados podemos alcançar movimentos com maior perfeição.

Ritmo – Quesito essen
cial para o trabalho.

Desinibição – Onde entra o Teatro, com técnicas de interpretação criamos situações na coreográfia transformando-a em uma história com inicio, meio e fim.
Se você curti dançar e quer participar de algo diferenciado estou a disposição...

Contatos onde aplico os cursos:
ILA – Instituto Livre de Artes :
Praça Presidente Vargas, 105 Vila Assunção - Santo André Tel: 4438-0472

Studio Lumiére :
Av. João Ramalho, 566 - Vl. Assunção Santo André / SP Tel: 4468-1819


E-mail e MSN: alemaia_530@hotmail.com


sábado, 24 de abril de 2010

O Amor esta Morto....



Alto do viaduto. Olhos no tráfego. Lá embaixo, pessoas e carros, bicicletas e acostamentos, postes e cães. Aqui em cima também. Ela reveste de lágrimas tudo o que lhe cabe no olhar. Em movimento ou parado. Direção norte ou sul. Vivo ou morto.

"Vai arrumar o que fazer e sai do caminho!" - berra um senhor que tenta encontrar espaço na estreita calçada que ela interdita com seus devaneios. Alto do viaduto.

"Nada!" - foi o que ouviu ele dizer. Separa mentalmente as sílabas, procurando pausadamente o significado da palavra: "naaaaaaaaa-daaaaaaaaa". Deduz que "nada" significa isso mesmo: nada, coisa alguma. Fora exatamente essa a palavra que ele usara para definir o que agora sentia por ela.

Praticidade. Há de se ter ou, na pior das hipóteses, adquirir. Os tempos são outros e exigem praticidade e muita lógica. Sentimentalismo não. Seria tão útil quanto uma caixa de band-aid em pleno front de batalha. Imediatamente estanca o choro. Lógica.

Granada, TNT e minas. Guerra mais antiga, essa! Pólvora, lança e machado. As armaduras! Não se pode esquecê-las! Fundamentais para a preservação do tórax! Levar machadada na cabeça tudo bem, mas no tórax nem pensar! É aí que reside, embrenhado nas tramas do avesso, o tal do órgão vital. "Deus nos acuda! O comandante está morto!" - as graves vozes irrompem no vasto prado. "Joguemo-lo na vala!". Praticidade. Lógica.

Já era sem tempo, pois que tudo tem um fim, isso é mais do que certo. Embalsamar só fazia sentido lá em determinada época, para uma cultura específica. Mumificar sentimentos não condiz com a modernidade. Não existe bálsamo capaz de conservar o efêmero. Não hoje em dia, quando, por comparação, o efêmero nunca foi tão efêmero. A velocidade não está nos automóveis nem nos aviões, nem nos metrôs e nem nos computadores. A velocidade está no homem. Sua urgência é incentivada pela urgência de outros. Carência, ânsia, insegurança, curiosidade. Dá-se o nome que convier.

Chega a equipe da Cruz Vermelha. Grita-se e revira-se na terra, já encharcada de sangue desconhecido, a fim de se acelerar o resgate: "Ah! Fui retalhado! Estilhaços vieram de todos os lados! Estou morrendo... MORRENDO!" E a alguns passos, outro se contorce: "Tive meu braço amputado!" Guerra. Praticidade. Lógica.

"Licença!" - outro reivindica. Ela nota que precisa sair do caminho, permitir o fluxo. Está atrapalhando com sua presença, o caminhar dos outros. Estorvo. "Nada!" - ele havia dito. Agora era abrir espaço e permitir o fluxo. Amara, mas seu amor era tão útil quanto uma caixa de band-aid em pleno front de batalha. "Deus nos acuda! O amor está morto!" - sua voz irrompe no vasto prado. "Joguemo-lo na vala!"

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Cultura Maia

Centro Cultural São Paulo. Centro. De 28/4 a 20/6. Grátis
O projeto apresenta temporadas de dança articuladas a ações colaborativas, desafiando os grupos e artistas a criarem espaços de encontros e a realizarem trocas artísticas, entre si e com o CCSP. Inserida no eixo curatorial Dança Expandida, que tratará, entre os anos 2010 e 2011, da integração arte/cidade/cultura, esta edição do evento, que se estenderá até junho, deverá contar com cerca de 20 companhias e núcleos de dança.

NÚCLEO DE PESQUISAS EM LINGUAGENS HÍBRIDAS
Espetáculo: Procurando Schubert. Concepção e dir.: Fábio Mazzoni. Dir. coreográfica: Sandro Borelli. Com Jaqueline Gimenes. 45 min. +18 anos. O espetáculo se reveste de ficção científica para abordar o tema relacionado ao homem contemporâneo. Em um surto universal, o mundo produziu gerações de seres instantâneos que deixaram para trás apenas o rastro da sua displicência.
Sala Paulo Emílio Salles Gomes. De 28/4 a 2/5. De 4ª a dom., 20h (retirar ingresso uma hora antes)

TENTATIVA DE SALVAR O MUNDO
Concepção: Júlia Rocha. Com Júlia Rocha e convidados.
Canto: Panis Angelicus. 20 min. +16 anos.
A coreografia enfoca a ação da não violência por meio do compartilhamento. | Sala Paulo Emílio Salles Gomes. Dia 29, 19h (retirar ingresso uma hora antes)

CIA. NOVA DANÇA 4
Coreografia: O beijo. Concepção e dir.: Cristiane Paoli Quito.
Consultoria de dramaturgia: Rubens Rewald.
Trilha sonora: Claudio Faria e Natália Mallo.
Com Alex Ratton Sanchez, Cristiano Karnas, Diogo Granato e outros. 75 min. +14 anos.
Projeto contemplado pela 5ª edição do Programa Municipal de Fomento à Dança. Obra inspirada no teatro, na literatura e no cinema que conduz o espectador a uma releitura subjetiva da peça O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues, delineada pela dança de improvisação.
Sala Jardel Filho. De 28/4 a 2/5. De 4ª a dom., 21h (retirar ingresso uma hora antes)

LINHAS AÉREAS E CASADALAPA
Intervenção artística: Pipocando intervenção e reflexão.
Com Bel Mucci, Julio Dojcsar, Natália Presser, Sato e Ziza Brisola. Diálogo artístico-sensorial no qual o corpo e a imagem se fundem com os espectadores e a urbanidade. Conversa aberta com exposição de material em vídeo de trabalhos dos grupos para produção de um texto final, que será publicado.
Ponto de ônibus próximo da saída da estação do metrô Vergueiro. Dia 30, das 17h às 18h30

NÚCLEO ARTÍSTICO VERA SALA
Instalação coreográfica: Pequenos fragmentos de mortes invisíveis.
Concepção: Vera Sala. Ambiente cênico: Hideki Matsuka.
Instalação sonora: Daniel Fagundes. Com Paulo Henrique Alves, Thiane Nascimento e Vera Sala. Projeto contemplado pela 4ª e 5ª edição do Programa Municipal de Fomento à Dança. +12 anos. O projeto dá continuidade e investiga possíveis desdobramentos da instalação coreográficaPequenos fragmentos de mortes invisíveis, iniciada em 2009. Na obra, a expansão do corpo para o ambiente mostra estados de deriva e de desestabilização.
Espaço Cênico Ademar Guerra. De 30/4 a 2/5. De 6ª a dom., das 19h às 21h

Mais dicas culturais, toda semana na Cultura Maia do Bolg Underground Style
Link: http://amandokkaa.blogspot.com
  • Copyright

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Casa do Olhar...


Espaço destinado a exposições, debates e outros eventos culturais.

A Casa do Olhar está tombada e protegida pelo COMDEPHAAPASA - Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arquitetônico, Urbanístico e Paisagístico de Santo André, desde 11 de novembro de 1992.

Rua Campos Sales, 414 - Centro
Santo André - SP
CEP 09015-200


segunda-feira, 19 de abril de 2010

Não há Vagas......


É o mundo das oportunidades não é nada facíl, eu sei....
Corremos pra la, corremos pra , pedimos pra um, propomos para outros e assim vai.

"Posso estar deixando meu currículo com você?"
Pronto falou "estar deixando", queimou o seu filme querido.
Colocou a franja para o lado direito? NÃO!!! E a boa aparência?
Entrou na sala e não sorriu? Estava suado? Deu bom dia para a mulher que se levantou para beber agua?

Nessa guerra é assim, você tem que ser perfeito, falar a frase certa, estar impecavél e ter muita, muita paciência, pois você esta em desvantagem, você precisa deles e eles irão fazer tudo pra tornar sua vida um inferno.

S O C O R R O ! ! !

Alexandre Maia

domingo, 18 de abril de 2010

Olhos de Grafite


Tinha nove anos quando se deparou com eles pela primeira vez. Não eram propriamente de grafite, mas adotariam sua textura alguns minutos depois. Na verdade, eram de um papel fotográfico excelente, que os conservava assustadoramente vivos, sob uma pesada mortalha de agentes químicos. Foram fixados ali no passado e eram então revelados à pequena Perla que, movida por desconhecida ânsia, dirigiu-se ao quarto, apanhou uma folha e, com um lápis, esboçou o rosto que os comportava.

Numa fria tarde de julho, quando da reunião de alguns parentes em sua casa, da solidão postada em pé na varanda, surgiu-lhe o desejo da partilha. Correu até seu pequeno baú e apanhou o esboço. A reação que sobreveio a cada um dos elegantes senhores que bebericavam o doce chá de ervas foi a mesma: assombro.

Perla possuía um dom e, pela incapacidade de reconhecê-lo quando menina, o tornava público com a corajosa inocência dos que desafiam os detentores da ignorância e da inveja. Quando curvada sobre o papel, tendo sempre ao lado uma fotografia, nem se dava conta de que a imagem se transportava de uma superfície a outra com uma rapidez e precisão impressionantes. Quase não sentia o lápis entre os dedos. Quase não se sentia.

Quando já acumulava dezenas de retratos, inspirados por fotografias apanhadas ao acaso de livros, jornais e revistas, inquietou-se diante da pasma indagação de sua tia Cora: "Mas, querida... por que só retratas os mortos?". Não respondeu. Não sabia. Sequer cogitara essa mórbida analogia. Passou-lhe pela cabeça, simplesmente, que, de alguma forma, aquilo não era verdade.

O passar dos anos permitiu-lhe fermentar, nos limites de sua lógica, a convicção que precisava emprestar àquela resposta que não fora capaz de dar e que, numa outra ocasião, irromperia o ar morno do outono com uma causticidade que constrangeria aquela mesma tia, em conversa travada por ambas no desbotado gramado da praça Flaubert.

Recostada no tronco de uma árvore seca, Perla fez sair, com essa mesma propriedade, a pergunta de sua garganta jovem: "Por que imaginas que só retrato os mortos?". Apanhada de surpresa, Cora pensou um pouco para lhe responder: "Não imagino. Todos aqueles retratos que faz e que guarda no velho baú, são de pessoas já falecidas". Segura de si, Perla tentou se explicar: "Sabes que não é verdade! Desenho rostos a partir de fotografias e no momento em que aquelas pessoas foram fotografadas, estavam vivas, portanto não se tratam de retratos de pessoas mortas, não senhora!". Um tanto confusa, Cora quis saber: "Mas por que diabos está falando disso agora, menina?". Perla então emprestou à sua voz a capacidade de condução elétrica de um metal: "Porque queria certificar-me de que também você se engana quanto à representação da vida pela arte e se engana, sobretudo, defendendo uma idéia tão romântica da morte!". Já tensa, buscando nas roupas um lugar onde esconder as mãos, Cora buscou no improviso uma saída possível: "E que idéia tão romântica é essa que defendo?". Perla então se limitou a dizer: "Essa, de que a vida fantasia-se de morte e não o contrário".

Simone Maia

Eu tive um sonho...




Sabe aquela sensação gostosa de frio na espinha, aquela vontade que quase não dá para segurar quando se está agarrado com seu parceiro, que mexe com todo o corpo e começa a dar sinais de que o que se quer mesmo é nos entregar as delicias do sexo? Pois é, isso é tesão.
O tesão provoca grandes mudanças no corpo, independente do estímulo, que pode variar de uma simples cena de sexo (num filme, novela), ao fato de tocar a pessoa desejada. A excitação, o tesão todo, faz com que algumas alterações se caracterizem nessa hora, como, a cor da pele, que se torna ruborizada, a temperatura do corpo aumenta, as batidas do coração e a respiração aumentam, e a lubrificação vaginal e a ereção começam a acontecer.
E todo esse movimento de mudanças ocorre, devido a uma série de fatores, que não são explicados somente por motivos emocionais, e sim por um conjunto, que engloba um turbilhão químico hormonal, que foi alertado, e passa a agir pelo corpo.
O tesão é uma sensação que acontece no cérebro por meio do estímulo de áreas erógenas que podem incluir todos os cinco sentidos.
Essa noite sonhar com você fez meu cérebro ter muitos estimulos....

Alexandre Maia

sábado, 17 de abril de 2010

Disfarces...


Na selva de pedra que vivemos encontramos inúmeros tipos de disfarces, alguns por medo outros só pra brincar, aqueles outros por mera maldade, enfim...

Andando por ai o Batman...
Conversei ontem com a Mulher Maravilha...
Queria dormir com um Dominatrix...
Acordar como Marilyn...
Semana passada o banco foi assaltado...
O melhor Carnaval é o de Salvador...
Minha vida é o Teatro...
Que roupa eu vou ao Baile...
Minha esteticista disse que é maravilhoso...
O Michael Jackson é o Rei do Pop...
Alonga o silios naturalmente...

Se você chegou a pensar que o mundo em que vivemos era livre das máscaras, se enganou. Algumas são necessarias outras não...

Alexandre Maia



sexta-feira, 16 de abril de 2010

Rir é o melhor remédio...


Como estamos na ' Era Digital ', foi necessário rever os velhos ditados existentes e adaptá-los a nova realidade. Veja abaixo....

1. A pressa é inimiga daconexão.


2. Amigos, amigos,senhas à parte.


3. A arquivo dado não se olha o formato.


4. Diga-me que chat freqüentas e te direi quem és.


5. Para bom provedor uma senha basta.


6. Não adianta chorar sobre arquivo deletado.


7. Em briga de namorados virtuais não se mete o mouse.


8. Hacker que ladra, não morde.


9. Mais vale um arquivo no HD do que dois baixando.

10. Mouse sujo se limpa em casa.


11. Melhor prevenir do que formatar.


12. Quando um não quer, dois não teclam.


13. Quem clica seus bons ares multiplica.


14. Quem com vírus infecta, com vírus será infectado.


15. Quem envia o que quer, recebe o que não quer...


16. Quem não tem banda larga, caça com modem.


17. Quem semeia e-mails, colhe spams.


18. Quem tem dedo vai a Roma.com


19. Vão-se os arquivos, ficam os back-ups.


20. Diga-me que computador tens e direi quem és.


21. Uma impressora disse para outra: Essa folha é sua ou é impressão minha
? .

22. Aluno de informática não cola, faz backup.


23. Na informática nada se perde nada se cria. Tudo se copia... E depois se cola.

Autor desconhecido..

Dentro de mim.....


Consta nos astros, nos signos, nos búzios
Eu li num anúncio, eu vi no espelho
Tá lá no evangelho, garantem os orixás
Serás o meu amor, serás a minha paz

Consta nos autos, nas bulas, nos dogmas
Eu fiz uma tese, eu li num tratado
Está computado nos dados oficiais
Serás o meu amor, serás a minha paz

Mas se a ciência provar o contrário e se o calendário nos contrariar
Mas se o destino insistir em nos separar
Danem-se os astros, os autos, os signos, os dogmas,
Os búzios, as bulas, anúncios, tratados, ciganas,
Projetos, profetas, sinopses, espelhos, conselhos
Se dane o evangelho e todos os orixás
Serás o meu amor, serás, amor, a minha paz.

Texto Chico Buarque

As faces do Amor....

O AMOR tem varias faces...

Tem aqueles que conquistamos, aquele que nos conquista, mas existe tbem o amor de pais, filhos, amigos e parentes... mas ainda tem aquele amor que nasce com a gente e agente não entende ele, ou melhor só entende quando encontra a outra parte... É assim é com vc.
AMO VC!
Mas... eu te amo do jeito que vc é, com qualidades e defeitos, com juízo e sem juízo, com coisas certas e erradas, com suas loucuras, com suas responsabilidades, com suas gargalhadas e com seus choros...

AMO VC PORQUE VC É VC!

Texo: Hugo Salum - O Cameleão

Agradecer e não pedir...

Hoje resolvi agradecer a Deus as coisas boas que tenho em minha vida....
Quando nos deparamos a uma situação ruim que nos mostra o quanto pequeno somos, aprendemos a dar valor em muitas coisas, coisas essas que nem pensamos, nem reparamos no nosso dia a dia.
O simples espreguiçar feito um gato na cama ao acorda, o colocar os pés no chão e sentir o carpete nos com as pontinhas dos dedos ou mesmo se olhar no espelho e se ver em perfeito estado.
Quando sentimos dor pedimos " Me ajude Deus" mais antes da dor chegar não pensamos "Obrigado por estar bem".

Aprendi a agradecer e não pedir, aprendi amar as pessoas pois elas são importantes em minha vida, estão aqui por algum propósito e amanha poderão não estar mais e quero que saibam o quanto são especiais para mim.

Aprendi a sorrir, a vida é uma barra e sorrindo as coisas parecem ser mais fáceis.

Aprendi a dançar e agradecer minhas pernas, minha coluna e meu controle de movimentos, de uma hora para outra posso não mais te-los.

Sei que tudo isso parece profundo, poético ou mesmo pedante demais, mais as vezes é bom dedicar um tempinho por menos que seja da nossa vida para agradecer e hoje dedico este espaço no meu Blog para esse fim;

Agradecer por estar vivo e bem......

Alexandre Maia